Depoimento de Vanessa Marques

“Ontem conheci pessoalmente a proposta da Arco- escola cooperativa. Foi uma experiência ter ido até lá e convivido com aquelas pessoas – educadores, pais e curiosos – tão cheias de vida que indagam e se indagam sobre o lugar da escola na contemporaneidade e dos sujeitos no-com o mundo. Em cada detalhe vivenciamos um espaço de encontro: na entrada o acolhimento de um (des)conhecido educador que nos mostra cada ambiente da escola (em construção em todos os sentidos!); na mesa de alimentos vemos o cuidado estético e ético com a organização dos alimentos e das canecas reutilizáveis; os sorrisos e a força dos olhares que se encontram e se comunicam, mesmo em silêncio. Ou seja, os princípios que sustentam a proposta pedagógica desta escola foram vivenciados em cada detalhe e encontro com o outro. No decorrer da apresentação da escola, descobri que um deles é a comunialidade. Um jeito de estar com o(s) outro(s), com a diferença em toda a sua potencialidade. De criar e inventar o(s) mundo(s) junto com o outro!
Com todos os desafios que vivemos na atualidade- homofobia, machismo, capitalismo desenfreado, racismo, individualismo, a “Arco – escola cooperativa” anuncia e inaugura um espaço educativo e cultural que se posiciona contra os valores predominantes de nossa sociedade. Criam uma brecha para construir uma escola como um espaço de cultura, de estar com o outro ( produz subjetividade na relação intersubjetiva), de viver a diferença em toda a sua potencialidade, de produzir – e não apenas reproduzir!- conhecimento, de conviver com a imprevisibilidade dos processos investigativos, de valorizar todas as linguagens e formas de expressão.
E o mais interessante, escolheram a faixa etária dos jovens para viver, conviver e inventar uma outra forma de construir conhecimento. Um dos motivos dessa escolha, segundo uma das professoras, é a força deles para indagar o mundo.
Sai de lá leve. Ao mesmo tempo, com muitas indagações, desejos e vontades de compartilhar essa experiência com pais, educadores, amigos e curiosos. Vale muito pena conhecer e se indagar sobre o mundo e a educação na contemporaneidade.
Minha sobrinha, uma jovem de 15 anos, disse: Uau, sabe quando vemos as coisas chatas da escola e pensamos como seria uma coisa diferente, eles (educadores da Arco) fizeram isso. É genial!”