Depoimento de Julia Negrão

em

“Tenho raiva de quem me promete paz e igualdade, de quem jura sustentabilidade, de quem brada o seu compromisso com a diversidade. Eu odeio palavras vazias. Odeio promessas abstratas.
A linha entre o discurso e a prática pode parecer tão tênue para algumas pessoas, mas a concretização dos valores –– nem que através de pequenas ações cotidianas –– é radicalmente diferente. A subjetividade de alguém que se compromete, de fato, com o que acredita é outra, assim como o ambiente ao seu redor: o mundo ganha movimento e se torna passível de transformação.
Cansada de tantas promessas vazias, falsas e inatingíveis, ao ler este portfolio sobre a Arco, senti como se pudesse respirar com mais calma: “Alguém sabe o que fazer; ou, ao menos, estão tentando.” De fato, uma flor rompeu o asfalto. Asfalto que também estava endurecido por todos os ataques que nossa educação vem sofrendo. Damos pouco valor, eu acho, àqueles que conseguem enxergar um caminho e dar um pouco de esperança quando tudo parece perdido e nossos olhos estão embaçados. Obrigada, Arco. A Arco Escola Cooperativa vem na contramão dos tempos com uma proposta de educação que não só lida com os problemas e contradições do agora, mas que se constrói a partir deles, buscando soluções concretas.
Primeiro, a escola é uma cooperativa. Isto não significa apenas uma forma outra de lidar com o dinheiro, não é uma escolha pragmática e nem arbitrária: é uma escolha política que estrutura a relação das pessoas ali dentro. Não há diretores, não há chefes e o comprometimento de todos ali, todos entre iguais, pauta as decisões. Assim será na sala de aula, assim será no pátio e, esperamos, desse modo serão formadas as cabeças dos alunos. A diversidade sócio-econômica será constitutiva do ambiente escolar e não apenas uma promessa meritocrática. A sustentabilidade também é pauta concreta do dia-a-dia: desde os materiais utilizados na construção, até o jeito que os alunos lidarão com seu espaço de aprendizagem.
E tudo isso foi construído em conjunto, em assembleias, e a escola continuará se construindo dessa forma. Concretizaram-se os ideais numa escola e a escola concretizou-se nos ideais.
Obrigada pela coragem, arqueiros. Obrigada pela inspiração que o projeto de vocês nos dá. Estamos aqui, não só com vontade de ajudar, mas com anseio de participar dessa construção, que tem gostinho de história, gostinho daqueles momentos em que nós sentimos o chão tremendo: a mudança haverá de vir.”