Frentes de Atuação

A Arco Educação e Cultura tem três frentes de atuação:

 

1- Espaço de Formação e Apoio ao Educador

 Os centros de formação de professores – geralmente instituídos por meio de ONGs ou OS, para contribuir com a atualização e melhoria do desempenho do professor – focam sua atuação, sobretudo, na didática, no processo de ensino-aprendizagem, que tem por objetivo final melhorar o desempenho de estudantes, o que é frequentemente mensurado por avaliações gerais e externas. Todavia, as formações deixam de lado o cuidado com o professor, agente fundamental do processo educativo. Algumas pesquisas recentes já vêm apontando que a intensificação do trabalho docente tem resultado num nível bastante alto de stress e mesmo em quadros de depressão. Além da degradação do trabalho, fruto da precarização e desvalorização da profissão, os professores têm enfrentado duros embates para manterem a autonomia docente no espaço escolar. Para nós, da Arco Educação e Cultura, essas questões são centrais. Por isso, nossa perspectiva é, não só oferecer cursos e oficinas que ajudem o professor a diversificar suas ferramentas e complementar sua auto-formação político-teórica, como também gostaríamos de construir uma Rede de Apoio ao Professor – um espaço no qual debates e discussões que se atentem para as tensões e contradições presentes no processo de trabalho docente e no cotidiano escolar de modo geral possam ser acolhidos e compartilhados.

 

2- Espaço de Reflexão e Formação de uma Comunidade Educativa

De forma geral, é possível dizer que a maior parte das escolas e dos professores sabem o quanto os pais e/ou responsáveis são fundamentais no processo formativo do estudante e em sua dinâmica de aprendizagem. Porém, o acesso dos pais à escola ou o contato dos professores com a comunidade é, na maioria das vezes, muito restrito, pois, muitas vezes, as escolas se encontram bem separadas da vida cotidiana dos estudantes, professores e responsáveis. As tentativas de articulação desses três grupos, em grande parte, acontece de maneira pontual, apenas em eventos específicos, nos quais as escolas se voltam para a comunidade ou facilitam algum tipo de acesso mais livre para os estudantes.  Pensando na necessidade de se fortalecer uma articulação mais orgânica entre a comunidade, os estudantes e os professores, a Arco Educação e Cultura propõe-se a quebrar algumas barreiras e abrir as portas (assim como, sair de dentro dos muros da escola) para que famílias, estudantes e moradores do bairro interessados em geral possam interagir em diferentes cursos, oficinas, caminhadas, passeios etc. Acreditamos que fomentar relações intergeracionais pode reaproximar a comunidade da escola e a escola da comunidade. Nesse sentido, queremos refletir coletivamente sobre os rumos da educação escolar, para irmos compreendendo e questionando os papeis que podemos ocupar nessa empreitada. E, quem sabe, podemos também problematizar juntos as dificuldades e delícias de educar.

 

3- Espaço de Sociabilidade e Formação dos Estudantes

A pressão da sociedade contemporânea sobre a juventude – geralmente numa perspectiva que aponta para um horizonte de alta carga de responsabilização e escolhas cada vez mais precoces que devem definir os rumos da vida adulta – acaba por projetar para dentro do espaço escolar um ambiente de grandes expectativas e frustrações, muitas vezes, configurando-se quase como um protótipo da concorrência generalizada que atravessa a maior parte das relações sociais, resultando em disputas entre os próprios estudantes. Nesse quadro, é frequente o surgimento de dificuldades em relação a algumas disciplinas ou conteúdos, ou mesmo obstáculos para conseguir se expressar mais livremente ou expandir as relações de sociabilidade.

Preocupados com tudo isso, nós da Arco Educação e Cultura buscamos fomentar um espaço no qual os estudantes possam, como os poetas nos ensinam: “despraticar as normas”, desregrar o olhar para enxergar os sentidos escondidos nos conceitos. A ideia é que os estudantes possam encontrar em nossos cursos e oficinas outras abordagens, a partir de um ponto de vista lúdico e dialógico, para as disciplinas ou assuntos que parte dos estudantes estejam desestimulados. Além das oficinas culturais de contraturno escolar para regar com ainda mais criatividade e poesia as diversas formas de expressão da juventude. E, por fim, aquilo que nos é essencial: que a Arco possa ser apropriada e habitada pelos estudantes como mais um espaço de sociabilidade e criação de vínculos.

IMG_8338

%d blogueiros gostam disto:
%d blogueiros gostam disto: